Sobre os primeiros 3 meses de gravidez

Pra quem não sabe, os 3 primeiros meses de gravidez são os mais “tensos”. É quando tem o maior risco de aborto espontâneo e também é quando a gente tem que tomar mais cuidado com o que come e o que faz, porque o bebezinho está começando a se desenvolver e algumas coisas podem aumentar o risco de má formação. É por isso, inclusive, que muita gente prefere nem divulgar a gravidez nesse comecinho, mas eu não aguentei. O “marco” dessa fase de risco são as 12 semanas e foi por isso que fiquei TÃO feliz no dia que chegamos lá. Agora já posso contar pra vocês como foi tudo até aqui, desde os primeiros sintomas, até a ansiedade e tudo mais que passamos até agora.

(amei tanto essas crônicas ilustradas de uma gravidez, da Teresa Serrano, que fiz alguns comentários pra tentar explicar um pouquinho como estou me sentindo. E não é que bate muito com o que ela desenhou?)

Como eu já comecei a contar, descobri que estava grávida com 5 semanas (isso dá um pouquinho mais de um mês), no feriado do dia 15 de novembro. Os sintomas começaram rápido… um enjôozinho chato todos os dias no fim da tarde e a noite, principalmente se ficasse muito tempo sem comer, muitas idas no banheiro, principalmente durante a noite, e bastante sensibilidade nos seios (até o sutiã tava me incomodando). A primeira semana sabendo que estava grávida foi uma avalanche de emoções. Pra começar, queria marcar logo a primeira consulta com a médica, no dia seguinte ao do teste de gravidez. Eram muitas dúvidas, muita coisa que queria perguntar se pode ou não pode, mas principalmente, precisava saber se está tudo bem.  Só aquele exame de sangue com o beta HCG aumentado era muito pouca informação pra mim… Fiquei com vontade até de fazer um outro exame de sangue, só pra ver se o beta HCG aumentou, mas não fiz.

A minha médica, pra quem perguntou, é a Dra. Luiza Meelhuysen, que é minha amiga desde o colégio, confio de olhos fechados e ainda tenho uma abertura enorme para perguntar todas as maluquices que vierem na minha cabeça inexperiente de mãe de primeira viagem. Além disso tudo, é uma das médicas mais competentes, responsáveis e inteligentes que eu conheço e indico para quem quiser, sem pensar duas vezes. Ela atende no Mater Dei, aqui em Belo Horizonte, e em um consultório lá pertinho, no bairro Santo Agostinho.

Depois do meu primeiro encontro com ela, já comecei a ficar mais tranquila. Cheguei lá com um caderninho cheio de perguntas e saí mais confiante e bem mais calma. Perguntei sobre café, refrigerante, remédios que poderia tomar em cada situação, sabonete do rosto, comida crua e tudo mais que eu li por aí que podia e não podia fazer. Sei que essas indicações variam de médico para médico e, como confio 100% nela, estou seguindo direitinho tudo que ela me orientou. Já estava tomando ácido fólico desde o dia que descobri a gravidez e contei pra ela por telefone. Ela me deu um pedido de exame de sangue e urina gigante (eram 18 exames no total) e um de ultrassom e já fiquei doida pra ver meu bebezinho.

Depois de tanta espera e tantos dias sem notícias, no dia 29/11 foi o dia de fazer o primeiro ultrassom oficial e eu, que sempre gostei tanto de corações, conheci o meu preferido. Que emoção ouvir aquele barulhinho! Que alegria saber que está tudo bem, que de uma semana para a outra nosso bebezinho cresceu e já tem um coraçãozinho piscando e batendo a 127 por minuto. Dá vontade de ficar ouvindo o dia inteiro e mesmo já tendo dado play um milhão de vezes, ainda é impossível escutar e não sorrir. É um amor tão diferente, tão profundo e tão grande, que nem parece que tem só 2 milímetros aqui dentro. Fiz o ultrassom na clínica Sigma e a Dra. Juliana contou que está tudo bem, que tínhamos exatamente 6 semanas de gravidez e que está tudo lindo e onde deveria estar. Ficamos muito felizes!

Os enjôos continuaram durante todo o primeiro mês e reparei que, nos momentos em que estava enjoada, a única coisa que tinha vontade de comer era batata frita. Sério! Como não é nada saudável viver disso, fui tapeando com batata assada, purê, cozida e do jeito que dava.

Percebi também uma dificuldade enorme de comer doces, inclusive frutas e iogurte, e também não estava gostando muito de frango, de nenhum jeito, nem na coxinha! Engraçado como o paladar da gente muda, né? Além dessa parte, reparei também que estava ficando muito cansada e dormindo bem mais que o normal. Algumas espinhas também resolveram vir me incomodar, principalmente depois que interrompi o uso do meu sabonete (que não é aconselhado para grávidas, porque tem ácido salicílico) e fui correndo na minha dermatologista.

Comecei a ganhar alguns presentes e quase morri de paixão. Cada coisinha fofa, pequenininha e mais gostosa que a outra… Confesso que quando comecei a ganhar e querer comprar as coisas, comecei a ficar louca pra saber o sexo, liguei em todos os laboratórios e fiz orçamento para fazer o exame de sexagem fetal (aqui em BH está em torno de R$300 reais), mas como ia viajar no natal e o prazo do resultado seria durante a viagem, acabei não fazendo e estou até hoje morrendo de curiosidade.

No comecinho de dezembro, em torno da 7ª semana (finalzinho do 2º mês), os enjoos vieram pra ficar e comecei a tomar de vez em quando os remédios que a Dra. Luiza me indicou. Ela também disse que eu poderia fazer exercícios leves, mas confesso que, além dos enjôos bem no final da tarde, fiquei com um pouco de medo. Fiz os exames de sangue e fiquei bem feliz com o resultado, que deu tudo normal. Fiquei acompanhando o crescimento do bebê pelo app do BabyCenter, mas o computador e o celular começaram a me enjoar tanto, que tudo (inclusive o blog) ficou meio abandonado. Só queria dormir.

Minha família decidiu passar o natal em um cruzeiro e isso me deixou bastante animada e ansiosa ao mesmo tempo, já que a expectativa de aumentar os enjôos (que já estavam ruins em terra firme) não era muito agradável. A parte boa, é que a viagem foi uma delícia e que fiquei mais enjoada nos passeios em terra do que no navio. Comi bem, tomei remédio só alguns dias e consegui aproveitar bastante.

No final de dezembro, reparei que minhas roupas começaram a ficar mais apertadinhas e achei esquisito. As blusas eu já esperava, porque meu sutiã aumentou bastante (muito mesmo, só 2 continuaram me servindo, com extensor), mas as calças me pegaram de surpresa. No final de dezembro também reparei que estava bem mais cansada que o normal e adorei ler sobre isso naquele livro “O que esperar quando você está esperando”, que por sinal, é uma ótima leitura.

Tive recesso no trabalho, viajei e descansei muito, graças a Deus. Me fez muito bem e consegui voltar para o Tribunal em janeiro um pouco menos cansada, mas confesso que em alguns momentos fico ofegante só de conversar mais. Na 12ª semana fizemos o ultrassom da Translucência Nucal, que deve ser feito nesse momento (tem uma margem de 2 semanas para fazer) e é usado para detectar as chances de alguma síndrome, má formação ou problema com o bebê, e fiquei bem ansiosa. Também fiz esse exame na Sigma e, apesar de ter dado trabalho para a Dra. Carolina (o bebê não ficava na posição certa de jeito nenhum), ficamos muito felizes de saber que estava tudo certo, formadinho e sem riscos. Foi uma delícia de tarde vendo o ultrassom, mãozinhas, pezinho, nariz, boca… é impressionante como já tem tudo formadinho tão cedo e tão pequeno.

Com 12 semanas completas, confesso que deu um alívio. Eu não consegui esperar chegar até aqui pra contar, não aguentei mesmo, mas recebi tanto carinho e tanto amor que não arrependi nem por um minuto… Agora os riscos diminuem e o bebê começa a crescer cada vez mais. Daqui a pouco começo a ter uma barriguinha, sentir os movimentos e descubro se vem uma menininha ou menininho por aí. Mal posso esperar!

Beijos,

Letícia e Baby, 13 semanas.

13 comments / Add your comment below

  1. Olá Leticia , eu vi no seu texto que você consultou com a doutora Luíza , ela é maravilhosa! Queria consultar novamente com ela , só que perdi o contato dela, você sabe de algum contato do consultório dela ? Olhei no Google e não achei. Espero que esteja tudo bem com e você e o bebê!! Obrigada 😊

    1. Ei Gabriela, tudo bem? Ela é maravilhosa mesmo, né? Sou fã, confio e indico pra todo mundo de olhos fechados. O telefone do consultório dela é 3335-7733. Está tudo ótimo comigo e o Lucas sim, só esperando ele chegar :D

  2. Linda!!! Texto lindo!!! Que delícia que foi aquela manhã do dia 15/11! Não vou esquecer nunca! 13 semanas e vamos em frente, ansiosíssimos!
    =***

Comente ♥